quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Marias VIII



Maria enviou-me uma carta, nas folhas gotas de sangue e lágrimas, dos calos das mãos feridas, dessa lata pesada e sofrida.
Maria escreveu com letras trêmulas...
Carta, lamento e poema de alma triste, mas que não desiste 
de prosseguir o caminho.


Ely Monteiro
Imagem : Ligia Spinelli

Bondade que Prolifera



O coração querendo se tornar de aço
E os meus pés acelerando os passos.
Faço vista grossa, recuso a proposta dessa minha essência teimosa
Sei que sou esse ser imperfeito
Choro,
Grito,
Faço de tudo um rabisco, amasso papéis e jogo no lixo.
Mas, dentro de mim, tatuado esse defeito, não tem jeito...
Estendo a mão e esqueço a ingratidão
E faço o bem não importa a quem.
E o coração; esse bandido, segue sorrindo, só porque
A minha palavra caiu por terra e a bondade em mim se prolifera
E nos meus lábios não cabe o sorriso
Só por ver alguém que estava no chão, depois de estender a mão,
Se equilibrar e sair da contramão.


Ely Monteiro.
Imagem: Google

Hipocrisia


Hipocrisia e ironia dando gargalhadas pelas esquinas...
E o mundo cão indo na contramão, prestes a entrar
em colisão, numa explosão de conspirações e maldades.
Muitos com essa falta de humanidade.
Hipocrisia e ironia dando gargalhadas pelas esquinas...
Causando náuseas nos que lutam, não contra tudo isso.
Mas, para não correrem o risco de perderem suas
essências.


Ely Monteiro
Imagem : Google

Ecos



De pé sobre as águas dessa chuva de pensamentos
minhas palavras gritam sobre o silêncio
de ecos de resiliências.

Ely Monteiro.
Imagem :Google

Drinks de Hipocrisia



As barangas eram do tipo turbinadas
e extremamente arrumadas.
Eu com meu vestido preto formal , degustava um saque de morango.
Olhei a minha volta e sorri
sarcasticamente para aquela gente doente.
Que aperitivavam canapés de soberba e se serviam
de drinks de hipocrisia, alcoolizados de prepotência.
E eu ali era só um rosto invisível, aos olhos
que só enxergavam cifrão.
E eu ali era eu mesma curtindo a beleza daquela noite
sem precisar fazer tantas poses.
E na saída, sem despedidas, dispensei o táxi
para andar pelas ruas sem precisar de seguranças
pois, a minha maior riqueza era poder ser eu mesma.

Ely Monteiro
Imagem: Google

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Sou poesia solta



Sou poesia solta.

Sou...
    Livre.

Sou...
      Leve.

Sou...

      Louca.


Ely Monteiro
Imagem: Google

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Melodia dos Dias



A sapatilha de ponta feriu os pés
na pirueta, em giros parecendo tiros.
Dói, sangra, rasga...
Mas cicatriza e passa.
Passa, passa....
E a bailarina agora
ri e celebra,
pés sarados, aliviados...
Elevando-se gira...
Na melodia dos dias...
Baila, baila, baila e ama.

Ely Monteiro
Imagem Google

No Ritmo do Poema



Nos fios das ruas
poesia nua.
Soprando ao vento,
voando livremente.
Deixando a melodia

em tons de sinfonia.
Dando aos poetas,
ritmos de serestas.

Escrevem poesia
em frações de segundos,
poetas loucos e lúcidos
te levam para outros mundos.

Poema, ritmo eloquente,
romântico, dramático ou doente

e, os olhos se rendem a esse arranjo literário,
são regados por cachoeiras de pancadas e sons
desse mundo imaginário.

Ely Monteiro
Imagem: Google

Abraça-me



Abraça-me forte 
e fica em silêncio ,
sutilmente eu te invado, 
não se preocupe, não me digas nada;
a sua amada
sabe decifrar...
Todo o vocabulário desse teu coração.
Abraça-me fica em silêncio,
pois esse tum tum
acelerado me diz que quer ser eternizado
e, em resposta te abraço e te respondo com beijo;
em teu abraço e desejos eu quero habitar.

Ely Monteiro
Imagem : Google

Sintomas da Escuridão



Pelas frestas da janela olhei
no quarto escuro entre as horas,
angustia doente.
Gemidos, açoites sangrentos,
correntes nos punhos e braços,
quarto escuro, um ser em anonimato.
O corpo atado a mil nós...
Paredes do quarto infestadas,
escrita por letras grifadas...
Maldade e inveja é prisão
do ser que entrou na contramão...
Sintomas da escuridão, um corpo caido no chão.

Ely Monteiro
Imagem: Google

Seus Olhos meu Farol



Escrevo e vejo que a luz do brilho dos olhos,
é o farol...
Que brilha e ilumina essa minha vasta imaginação.
Dando a mim toda essa inspiração.
Agradecendo sigo escrevendo, minhas palavras.
Que viajam e bailam junto aos olhos teus.

Ely Monteiro
Imagem Google

Amanheceu



Amanheceu e a luz do dia
agora é sua companhia,
amanheceu e o rei sol
quer te tirar dos seus lençóis,
amanheceu lá vem o dia
para te tirar a agonia;
esqueça a tristeza de ontem
hoje amanheceu e esse dia é seu,
joga para cima confete;
amanheceu celebre a vida

Ely monteiro
Imagem Google

Sei Quem Sou



Essa confiança é a metade.
Das armas que ganhei,
depois da tempestade.
Que na vida enfrentei;
Te espanta a minha fortaleza?
Pareço ser prepotente?
Invenção da sua mente.
e, para provar o contrário
não esforço-me.
Olho-me no espelho,
sei quem sou e aonde vou.
Sem perder minha essência,
desculpa se enxergas isso
como indiferença ..,
Mas, para tua sorte eu não me importo.
Cresci e aprendi a ter amor próprio.

Ely Monteiro
Imagem: Google

Olha-Me



Sou além da grife dos meus acessórios e roupas,
sou mulher, às vezes durmo até de touca.
Sim, tenho vaidade, meus cabelos me estressam.
Minhas unhas às vezes quebram,
minhas roupas às vezes apertam,
às vezes corro e tiro o salto.
Mas, sou elegante mesmo com os pés descalços.
Olhe-me além da minha maquiagem
e, conhecerás minha beleza interior
que se esconde, camuflada está aqui dentro,
revelando-se apenas aos olhos de quem
tem sensibilidade de olhar devagar e com amor.

Ely Monteiro
Imagem:Google

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Invasão de Privacidade


Cara escritora, desculpe-me
pela invasão de privacidade,
mas tomei a liberdade
de abrir seu guarda-roupa
e entre suas meias e toucas
encontrei essa sua roupa.
Agora entendo porque voo,
viajo e me encanto
a cada página do seu livro
que eu viro em algum canto,
e ao revirar suas gavetas
vi lá mil borboletas,
embrulho de laço de fitas
onde palavras de amor e felicidades
estavam escritas.
maquiagens mágicas,
lágrimas em garrafas,
rascunhos em folhas
das suas próximas criações.
Cara escritora, desculpe
a invasão de privacidade,
mas hoje tomei a liberdade
de abrir e escancarar a intimidade
da sua alma.

Ely Monteiro
Imagem: Google

Existência e Arrebol


Escrever me é tão necessário,
tanto quanto todos os arrebóis...
E o nascer de todos os dias... .
Da minha existência.

Ely Monteiro
Imagem: Google

Loucuro-me .


Talvez seja considerada louca.
Eu tenho palavras presas,
a milhões de imaginações soltas.
Por isso escrevo...
E se isso for considerado fora do normal...
Loucuro-me.


Ely Monteiro
Imagem: Google

Poema-te



Deixe amanhecer dentro da alma.
Espantando a escuridão que te tira a calma.
Que por labutas dessa vida,
vai ficando obscura e ferida.
Mas feche os olhos e sinta a harmonia,
ouça o som da melodia,
encha-te de paz e calma.
Respire fundo de volta ao mundo.
De asas à imaginação...
Entregue-se então, poema-te,
.

Ely Monteiro
Imagem: Google

Poe(Mãe)



Mãe queria dizer-te mil coisas
mas, confesso, me faltam os versos
para expressar a beleza de sua alma materna.
Que na alegria ou na guerra acalentou-me
no teu seio de amor.
Te amo e me amas...
Fica tão claro o sentimento nas páginas que eram em branco,
perto ou longe, aqui ou em outro canto
é como tivesse-mos nunca cortado o cordão umbilical.
Te amo hoje e esse amor não tem final,
um vinculo de eternidade.
Mãe te amo de verdade!

Ely Monteiro

Poe(Livro)



E se eu ler um livro
viajo para o infinito.
Minha alma ganha asas;
e minha imaginação será o meu céu.
Em questão de segundos,
me transporto para outro mundo.
E se eu ler um livro...
Adeus, eu não moro mais em mim.

Ely Monteiro
Imagem: Fashion Photography by Kristian Schuller

Sobre o Meu Amor



Meu amor é um ser gigante
de alma que brilha feito diamante.
Um sol, um cometa,
o meu amor é esse ser autêntico
que ama rock,
churrasco, poesia e cinema;
literatura, edições e temas.
Meu amor ama o mar e as ondas,
churrasco, petiscos e drinques;
discos de vinil,
declama versos mil,
coleciona e escreve livros
e, seu maior hobby é criar pássaros livres,
admirador da lua sabe os nomes das estrelas
e, me ilumina quando faz mil brincadeiras;
me leva para assistir a dança dos astros
e, junto a eles bailamos no espaço.

Ely Monteiro
Imagem:Google

Marias VI



Às vezes sinto-me saindo do ventre
me arrastando em passos lentos.
Corro, pulo, grito, cresço,
caio, quebro-me, vou ao chão.
Levanto, saio da contra mão
reviro e volto o tempo da ampulheta
não tenho medo de caretas,
eu giro mundo, aperto cinto, eu piso fundo.
Eu tenho orgulho da menina que mora em mim
mas, eu sou forte, mulher guerreira sou sim.
Eu sou de aço, eu não me amasso, vou para a guerra,
não tenho medo eu tenho escudo, enfrento as feras.
E o meu nome eu esqueci de mencionar,
eu sou Maria eu levo a lata sem derrubar.

Ely Monteiro
Imagem Google

Literatura Livre



Quiseram camuflar a literatura e a poesia
numa manhã de outono, fria.
Dia nublado ,corações farpados 
sangrando ao vento,
batimentos lentos.
Quiseram roubar a imaginação, decapitar a inspiração.
Roubaram as folhas e as canetas dos escritores e poetas
que seguem a vida fazendo seresta.
Poetas e escritores andando pelas ruas,
gritos presos na garganta...
E mesmo sem caneta e papel,
mas, com tinta e com pincel
escrevem no chão das avenidas
grafitam os muros com poesias livres e líricas;
antologias de escritores mortos e vivos...
Explanando histórias de vários livros...
Escritos em placas de sinalização
versos tirando suspiros da multidão.
Poetas e escritores com alto-falantes
proclamando versos ,poesias e contos;
poesia solta, literatura rouca
ecoou um mesmo grito, dando
desenvoltura a todos os escritos.

Ely Monteiro
Imagem: Google

Reflexos



Algumas coisas são tão grandiosas
que não cabem dentro de mim.
Não saberia explicar com palavras,
por isso apenas deixo reflexos...
De tudo que sinto, transparecer em mim!

Ely Monteiro
Imagem: Google

Imaginações



E quando chega a noite.
Minhas
Rimas
Linhas
Imaginações.
Mesmo
Sendo
Noite
Amanheço
Versejando
Nesta imensidão.

Ely Monteiro
Imagem: Google

Sementes



Sementes aos olhos, sementes.
Mas para mim caçadora de palavras
e de almas iluminadas...
Vejo flores que na minha imaginação,
enfeitam os canteiros em aglomeração
causando inveja as lagartas que olham
de soslaio, se contorcendo de fome e maldade
mas, no jardim querubins e duendes
vão protegendo essas sementes...
Vejo flores que na minha imaginação,
enfeitam os canteiros em aglomeração.

Ely Monteiro
Imagem: Google

A Poesia em Todo Lugar



Eu vejo a poesia no idoso que cansa,
no sorriso da criança.
Eu vejo a poesia nos olhos de quem ama,
na voz de quem clama.
No som da lágrima de alguém que a derrama.
Eu vejo poesia no céu e na terra...
E na tela vejo a poesia em vários tons
e, nossos pássaros livres...
No conteúdo de livros.
Eu vejo o brilho dos adolescentes
que escrevem poeticamente
e, meu coração acelera freneticamente
pois, ontem eram apenas sementes
e hoje estão em toda parte, contentes.
Perderam seus medos
e, nas linhas derramam seus segredos e sonhos.

Ely Monteiro
Imagem: Google

Escadas do Céu



E desde menina subia as escadas. 
Eu acreditava que para falar com o papai do céu 
Precisava subi-las...
Coisas de menina
e mesmo depois de crescida,
entendi que quando faço uma prece
com a mesma inocência e fé;
subo as escadas e penduro
todos os meus pedidos e sonhos.
Agora entendo que desde menina
eu sabia subir as escadas, fazendo a mesma prece.
Coisas de menina e de alma genuína.

Ely Monteiro
Imagem : Google

Minha Coreografia



E quando esse meu jeito
imperfeito é aceito
eu agradeço essa tolerância
de quem me ama
e, não reclama
e mesmo que às vezes
eu esqueça a coreografia,
em harmonia me enlaça
e completa minha imensidão.

Ely Monteiro
Imagem Google

Testamento



E se eu calar a minha voz,
e perder o movimento das minhas mãos,
e seu não ver mais o clarão dos dias
e só enxergar escuridão;
dando lugar assim ao meu olhar celeste
sem tropeçar no destino da minha morada eterna.

Quando eu calar a minha voz
vais me ouvir e sentir nos livros
meus pensamentos e palavras
estarão vivos.

As minhas flores exalando perfumes, não as que cobrirão
o meu corpo que seguirá levado com marcha fúnebre
mas, as flores que cuidei no meu jardim e as que cultivo dentro de mim.

Quando eu calar a minha voz
e deste mundo partir
deixarei de ser jardineira
mas, confio a você todas as minhas
plantações.

Pois serão regadas por ti
quando os teu olhos contemplá-las,
seu olhar será como a brisa do vento
quando nas linhas regá-las.

Quando eu calar a minha voz
as suas mãos sustentarão
em cada página virada, meus sonhos
e plantações.

E se eu calar a minha voz,
e perder o movimento das minhas mãos,
e seu não ver mais o clarão dos dias
e só enxergar escuridão;
dando lugar assim ao meu olhar celeste
sem tropeçar no destino da minha morada eterna.

Ely Monteiro
Imagem: Google

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Pássaros Escritores e Poetas



Escritores são livres pensantes, sensatos falantes,
escritores são como diamantes, tem almas gigantes
e voam além do horizonte.
Pássaros livres
seguem em revoada.
Poetas são loucos lúcidos em turbilhões,
poetas se entregam as alucinações,
românticos que criam seus próprios universos constantes,
construtores, pintores e astronautas
que vivem em galáxias distantes...
Poetas, loucuras, luxúrias, amor e ilusão;
constroem seus próprios jardins e mansões.
Pássaros, escritores e poetas voando em revoada,
escrevendo aqui e ali suas melodias, seus cantos, loucuras na madrugada;
misturam-se e aventuram-se na imaginação
voando nós céus de alguma emoção.
Pássaros, escritores e poetas que voam além do além,
pousam nas linhas e se fazem refém
dos olhos alheios que os queiram bem.

Ely Monteiro

Imagem Google

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Alquimia Lilás



Misturo-me ao lilás,
a alquimia que me trás
aos campos do meu eu.
Às perturbações digo adeus.
De todos os caminhos e cantos,
lilás melodia que canto
e, toda semente enterrada
agora é lilás e mais nada.
Depois das batalhas travadas
eu venço as  guerras enfrentadas...
Minha áurea segue...
Iluminada... 
Lilás é essa minha alquimia,
veredas de amor e alegria.


Ely Monteiro
Imagem: Google

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Caio e o Violino



Corre entre as colinas,
banha-se das águas,
menino inocente,
família carente...
De repente, por força
do divino...
Caio conhece um homem
que lhe apresenta um violino;
amor a primeira vista
começa  ali seu destino...
Menino e violino.
Melodia, inefáveis sons
de calmaria...
Caio e o violino, levavam a todos alegria.
Foi professor ainda adolescente,
a muitos ele ensinou
mas, foi depois do colégio
que seu futuro andou...
Partiu o Caio, feliz lá
p’ras bandas da capital
para realizar o seus sonhos...
Eis que os tempos passaram
mas, o rio corre no mesmo lugar
e as colinas hoje choram
de saudade do menino e o violino
que viviam ali a tocar.


Ely Monteiro
Imagem: Google

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Análise



E eu vou me dando conta
Que tem dias que faço...
Prece,
Com pressa.
Mas, por divina promessa
O anjo vem e limpa o caminho ...
Tira os espinhos e livra-me,
Semeando flores, entregando
As vitórias a esse ser cheio de defeitos,
Imperfeito,
Teimoso, chamado eu...
Então tenho consciência,
Faço uma suplica de agradecimento
E, peço clemência
Agradecendo a ele pela paciência.

Ely Monteiro
Imagem: Google

Meu Amor Desmedido


Esse amor desmedido
Faz-me sentir ...
Menina.
Manhosa.
Vaidosa.
E quando estou contigo...
Chego.
Charmosa.
Cheirosa.
E seus olhos vão
Seguindo
Sublimes
Sorrindo
E eu assim
Dedico
Doçuras
Delicias
Desse doce
Carinho,
Caminho
Onde o amor é continuo.

Ely Monteiro
Imagem Google

Poema de Casamento


O destino uniu dois anjos no caminho,
trilharam tempestades com solidez,
veredas se uniram sem descaminho
em busca de uma conquista com lucidez.

Cerziu a história de Rodolfo e Helen,
foi como um conto escrito à poesia,
foi união de almas além do Éden
compondo o matrimônio em melodia.

Caminhos se encontram, se entrecruzam,
e a palidez no olhar é prenúncio de paixão
que transmuta-se em amor no coração
e enleva em alegria e rejúbilo a união.

O destino uniu dois seres para sempre,
suas sendas transformaram-se em uma só,
então o que estava escrito agora se cumpre
unindo duas linhas em um só nó.

Floriram jardins, flores de casamento,
pétalas de amor espalharam-se ao vento,
fundiram-se num sonho estrelado
que é narrado com meu contentamento.


Ely Monteiro

Transubstanciação das Estações



Saúdo o outono,
pés descalços,
fé e ferramentas,
orações crenças,
roupa leve ...
Folhas caindo lá fora,
das árvores,
no quintal, um cheiro do frescor da
estação que anuncia transmutação
e, dentro da minha morada interior
eis que vejo folhas de ignorâncias
e das minhas imperfeições caindo
e, delas vou me despedindo
e dentro de mim inverno que quis
chegar, deu lugar a primavera.
Rebento, raiz e flores,
que logo anuncia raios de luz
que emanam e aquecem a alma.

Ely Monteiro
Imagem: Google

Jardineiro Imortal


E todas as outras coisas perdem o valor.
Perante a obra que só o Jardineiro
Imortal e indescritível é capaz de criar.
Desapego-me a cada dia das ignorâncias
E vou me dando conta que evolui
Interiormente, pois calo-me perante
As adversidades...
Quero apenas dizer palavras
que edifiquem, assim estarei
Me esforçando para retribuir
Todo bem vindo dos céus,
Mesmo sendo imperfeita
A cada dia abro a janela
E me encho de todo o
Bem que me é enviado
De quem gerou a mim,
E todo o universo!

Ely Monteiro

Pulso



Faço silêncio
No pulso
Pulsa a veia
Que às vezes
O sangue esquenta
Mas resisto a tormenta
E se o corpo não
Resiste a pressão
Explodo, quebro-me,
Junto os cacos no chão
Não me entrego a maldade
Nem a vingança.

Prendo no pulso
Que pulsa
A flor da humildade
Silenciosamente vou
Virando felicidade
No silêncio da noite
Bendigo e celebro
A evolução do ser
Que no silêncio
Conseguiu vencer.

Ely Monteiro

Imagem: Google

Amor Desmedido


Amo-te e cada dia.
E quando procuro
descrever esse amor.
Torna-se indescritível.
Pois o que eu sinto é...
Amor desmedido!

Ely Monteiro
Imagem Google

Cabeça em Versos


Minha cabeça está em versos,
confesso...
E se não me conter
entrego-me então...
Misturo-me a inspiração
faço de mim poesia.

Ely Monteiro

A cada amanhecer.



Faço uma oração
Entoando uma canção 
A cada amanhecer
Tenho a coragem de sonhar.

Pois sou como passáro
Me aproximo dos céus
Ultrapassando o véu
Toco os umbrais das portas
E de lá recebo a resposta
Fortaleço-me e encho-me
De fé no amanhecer desse dia


Ely Monteiro

Imagem: Google

Renovando Outono


Amanheceu, é mais um daqueles dias.
Outonais...
Que as folhas caem...
Folhas...
as roupas antigas.
Caindo das árvores.
E nesse amanhecer orvalhado...
Vem surgindo o novo dia
Observo da janela,
e vou me despindo.
Tirando a roupa velha
que vestia a alma.
E o orvalho que em
mim cai, me traz...
Tranquilidade e calma.
Renovando a mim
Que imperfeita sou
Mas não desisto,
Luto e insisto.
Quero somente vestir-me
Com roupas de bondade.
Eu não pertenço a maldade.
Por isso renovo-me
E me encho do bem.


Ely Monteiro
Imagem: Google

Do Ser Que Sou



Sou
Ser
Semelhante
Aquela faísca
Que de longe pisca
Sou
Coração
Coragem
Capaz
De brilhar um pouco mais
Quando emana de mim fé
Sou
Fagulha
Fulgaz
Flamejante
Que junto aos astros me torno gigante
Poeira cinza e pó dou a incredulidade nó
Sou
Mulher

Liberdade
Pela força divina sou coragem
E vejo o meu ser em transmutação
Meu corpo vira constelação
E a luz do divino...
Neste ser frágil...
É proteção.

Ely Monteiro

Gaveta de Palavras


Fecho os olhos...
Mentalmente vou abrindo 
as gavetas onde guardo palavras,
versos e letras.
Visto-me com essas folhas escritas,
confeccionadas pelas minhas mãos...
E encho-me da mesma emoção
dos dias em que foram costuradas
com os artigos da alma.

Ely Monteiro

Corpo Nu



Eu vi em um canto obscuro
um corpo estranho,
agachando-se ao chão...
Pavor, medo, fraqueza,
murmúrios e lamentações ...
De quem será este corpo?
Porque não levanta do chão?

Espantada perguntei
De onde vens e o que és?
Sou milhares de homens
e mulheres que por fraqueza
perdem a fé.

Cicatrizes e feridas
no labor de muitas
almas vão a tristeza...
Se entregando,
perdendo o amor,
esperança e calma.

E eu pedi ao corpo ...
Que ele me desse a mão
E por força divina...
Elevei aos céu oração.

Pedindo ao divino
mestre que o libertasse
das dores e escuridão...

Eu vi o corpo nu
vestindo roupas de fé.

O corpo que antes era frágil
ficou de pé.
Esboçando um sorriso
saiu da escuridão.
Cheio de força e ânimo
o corpo ergueu-se
do chão.

Ely Monteiro
Imagem Google

segunda-feira, 23 de março de 2015

De Quando Pranteei Por Aquela Flor



E eu pranteei pela flor,
eu jardineira sou e a caminho
do meu jardim,
vi ali;
plantada perto da estrada
uma flor emaranhada,
empoeirada,
flor machucada;
corri para ajudar,
aquela flor que estava
murcha,
mas a flor se indignou,
se lamentou, sentindo dor
e o regador não aceitou...
Plantada ali em terra seca
e, eu tentei remediar-lhe as feridas...
Eu vi a flor em revoltas
se lamentar do duro chão,
a mendigar por água e pão,
eu vi a flor se condoer
e ao véu da morte se entregando...
Eu vi a flor perdendo as pétalas,
eu vi a flor perdendo o néctar,
a flor que outrora exalava perfume
entregar-se ao canto fúnebre
e eu, segui o meu caminho...
Eu a jardineira sou,
segui o caminho a prantear
pela flor;
quem dera poder cuidá-la
como cuidei das minhas flores,
se ela aceitasse, teria o mesmo
olor do meu jardim que a cada dia germina...
Sorriria com a visita das borboletas,
aprenderia a derramar versos com papel e caneta...
Eu a jardineira sou,
compadeci a morte daquela flor
que desistiu da vida e ao véu da morte
entregou-se.


Ely Monteiro
Imagem: Google

terça-feira, 17 de março de 2015

A menina ainda mora em mim



Com o passar dos anos
Despertou a mulher que
em mim dormia...
Mas porém ao olhar pela janela
do tempo, ainda vejo a menina.
Que é inocente e sonhadora.
Sim reviro as gavetas da alma.
A menina ...
Ainda mora em mim.



Ely Monteiro
Imagem Google

Metamorfose em Flor



E quando ela viu
a semente virar lírio.
Pegou o regador,
se pôs a caminho.
Juntando-se ao lírio...
fizeram um ritual, metamorfose
fora do normal.
A jardineira virou flor, deixou
a saia rodada...
E o laço de fita...
Virou Açucena...
De pétalas bonitas...
Jardineira Açucena com
seu regador.
Vive junto ao lírio...
Exalando a fragrância...
Amor.


Ely Monteiro
Imagem Google

Palavras Engaioladas




Palavras engaioladas
são libertas pelas
mãos da poetisa e do poeta.
Palavras declamadas,
derramadas,
inspiradas,
por mentes pensantes
de imaginação gigante,
mágicos e malabaristas
de palavras,
seres que carregam
poesia na alma
e no coração
carregam a alma do mundo.

Ely Monteiro
Imagem: Google